domingo, 15 de março de 2015

[Mergulhei Fundo] - O Meu Pé de Laranja Lima

Título: O Meu Pé de Laranja Lima


Autor: José Mauro de Vasconcelos


Editora: Melhoramentos


Ano:1968


Nº de páginas: 192



“Precisava pedir de novo para Tio Edmundo repetir aquela palavra. Não sabia se era acorbacia, acrobacia ou arcobacia. Era uma daquelas. Só que não devia ensinar errado ao meu irmãozinho.”

Zezé é um garoto travesso de cinco anos (quase seis, como ele sempre fala). A família dele é numerosa e as dificuldades no dia a dia são muitas. O irmão mais velho cuida do segundo, que cuida do terceiro e por aí vai... Eles não têm mordomias e, algumas vezes, nem comida na mesa. No entanto, vão levando a vida assim mesmo, até quando Deus permitir.

O menino de Seu Paulo, como Zezé é conhecido, apronta todas, com direito a bônus. O repertório de traquinagens é vasto. Falar palavrões, fazer xixi dentro do cinema, atirar pedras em algum engraçadinho metido a besta... É tanta coisa, que não está no gibi. Apesar disso, Zezé é uma criança muito inteligente, tanto que aprendeu a ler cedo, sem estudar. A vida dele muda radicalmente quando ele faz uma nova amizade. Sabem com quem? Com um pé de laranja lima!

“Uma semana foi preciso para que eu me recuperasse todo. Não provinha das dores nem das pancadas o meu desânimo. Verdade que em casa começaram a me tratar bem que dava para desconfiar. Mas faltava qualquer coisa. Qualquer coisa importante que me fizesse voltar a ser o mesmo, talvez a acreditar nas pessoas, na bondade delas.”

Coitado do Zezé. Como ele apanha nesse livro! De verdade, senti muita pena dele. A linguagem usada pelo autor tem uma simplicidade ímpar. Alguns momentos da história são bem tristes e emocionantes, como o momento em que Zezé fala sobre o Natal fracassado. Mas também dei altas gargalhadas durante a leitura. O livro traz um humor ingênuo. Zezé tem umas tiradas ótimas. É uma inocência tão genuína, que chega a ser cômica.
  
O que eu mais gostei da escrita do autor, foi que ele conseguiu transmitir, através de uma narrativa em primeira pessoa, os sentimentos de uma criança de cinco anos, fazendo o leitor enxergar o conjunto da obra com um olhar diferenciado, puro.

“Dor era aquilo, que doía o coração todinho, que a gente tinha que morrer com ela, sem poder contar para ninguém o segredo. Dor que dava desânimo nos braços, na cabeça, até na vontade de virar a cabeça no travesseiro.”

Esse livro apresenta ainda reflexões sobre vários temas, como: desigualdade social, relação familiar e preconceito. A história mostra que um mundo de fantasia pode ser a chave para encarar as dificuldades da vida. Leitura recomendada!

E vocês, já leram esse livro? O que acharam? Deixem comentários. Abraço!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGORA QUE VOCÊ JÁ MERGULHOU NA LEITURA, DEIXE O SEU COMENTÁRIO. ELE É MUITO IMPORTANTE PARA O CRESCIMENTO DO BLOG. OBRIGADO!!!

Obs.: comentários ofensivos serão deletados.