domingo, 22 de fevereiro de 2015

[Parceria] - Sinélia Peixoto

Olá, mergulhadores!

O aniversário do blog está chegando e é com muita alegria que eu venho contar mais uma novidade. O "Mergulhando Na Leitura" acaba de firmar uma parceria com a Sinélia Peixoto, autora de Por Que Eu?, o primeiro livro da Trilogia do Eu. Vamos conferir?

Sinopse:

Elizabeth é uma mulher de 28 anos, de Brasília, que decide começar o ano de 2013 de forma diferente. Estagnada? Podemos dizer que sim. Sem perspectiva de mudanças? Também! Ela busca algo melhor para si, por isso vai à Porto Seguro passar o réveillon com as amigas para encerrar uma fase de sua vida e dar início à outra, mais adulta e com muitos desafios. Lá, ela conhece Antônio, um advogado também de Brasília. Eles curtem juntos e quando voltam à Brasília começam um romance. Elizabeth está se descobrindo. Ela pede demissão de seu emprego e começa se dedicando aos cursinhos para concurso. Antônio já é estável e independente. Quem é ela? Ela se pergunta e comparada a ele, ela se acha um Zé Ninguém. Ela se sente perdida em meio a tudo que tem que aprender e descobrir sozinha. Ela é uma pessoa honesta e sincera consigo mesma; luta para se analisar e se entender sempre; ele quer ajudá-la profissionalmente. Ele quer mais! Ela luta contra ele, tenta não se entregar, luta para ser honesta consigo mesma e aprender mais sobre si mesma sempre. Eles se casam, apesar de Elizabeth colocar empecilhos, e juntos têm dois filhos. O primeiro livro desta trilogia é sobre esse primeiro momento, no qual os dois estão se descobrindo, ela buscando se profissionalizar, ele aprendendo com ela a se abrir mais, se conhecer, a filosofar, a analisar sua vida, seus pensamentos e a ser honesto consigo mesmo. Os dois buscando um relacionamento cada dia melhor, aprendendo sobre o casamento e também buscando o que os satisfaça sexualmente. Eles se dedicam muito à vida sexual do casal, aprendem sobre o corpo do outro, sobre os gostos do outro; se conhecem e melhoram juntos, com carinho, dedicação e atenção. É um livro no qual Elizabeth discute muito consigo mesma, tenta entender suas neuroses, tenta se descobrir sexualmente e descobrir como é o casamento, a gravidez, a vida a dois e sua luta por melhoria profissional. Com um final muito triste e cheio de esperanças para o próximo livro.

Sobre a autora:

Exemplar autografado pela autora
Sinélia nasceu em Brasília em 06 de Dezembro de 1977, estudou sua vida toda na cidade. É professora e quando adolescente teve poemas publicados na escola onde estudava. Ela gosta de escrever desde sempre. Tem dois filhos, é divorciada e sabe bem o que as mulheres passam e sofrem nos dias de hoje, tendo que cuidar da casa, da família, de si mesmas e trabalhar fora ao mesmo tempo. Por Que Eu? é o primeiro livro de uma trilogia, escrita em 2013. Livros escritos por ela para a mulher atual, que é dona de si, trabalhadora, mulher, diva, mãe, batalhadora, forte, que enfrenta a vida com garra e que também pode ser romântica, não perde sua doçura, sua feminilidade, sua beleza interior, sua vontade de crescer, de ser melhor e de se conhecer cada vez mais. São livros que nos mostram que conseguimos tudo com amor e dedicação, basta força de vontade e coragem de assumir nossas responsabilidades e lutar sempre por algo melhor.

Acompanhe a autora:




quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

#Resenha: "Pântano de Sangue"

Título: Pântano de Sangue

Autor: Pedro Bandeira

Ano de lançamento: 2009*

Editora: Moderna

Nº de páginas: 192


# A história

Pântano de Sangue é o segundo livro da série Os Karas.

Elias, o professor de matemática do Colégio Elite, foi brutalmente assassinado. Crânio, o gênio da turma dos Karas, não acreditava que aquele crime tinha sido apenas mais um entre tantos que aconteciam na cidade de São Paulo. Ele resolveu investigar o caso e chegou a uma conclusão que os seus companheiros – Miguel, Calú, Magrí e Chumbinho – consideravam absurda.

O professor Elias gostava de fotografar nas horas vagas. Antes de ser assassinado, ele havia feito uma viagem ao pantanal mato-grossense e tirado várias fotografias. Crânio teve acesso aos registros e constatou que estavam faltando três. Logo, ele imaginou que o professor foi morto por causa do que tinha fotografado.

O plano de Crânio era viajar para o Pantanal e seguir o mesmo roteiro do professor Elias, se baseando na sequência das fotos para descobrir o que ele supostamente fotografou de tão grave. Os outros Karas não concordaram com a ideia e Crânio viajou sozinho, com a desculpa de que iria visitar a sua tia Matilde.

Chegando lá, o gênio dos Karas encontrou um cenário devastador. Além do cemitério de jacarés e da destruição daquele Paraíso Terrestre, havia o comércio das drogas, que movimentava muito dinheiro. Crânio acabou sendo capturado por uma organização criminosa, liderada pelo implacável Ente.

Em São Paulo, o detetive Andrade explicou a situação aos Karas, que sentiram um peso na consciência por não terem acreditado na teoria maluca de Crânio. Eles partiram imediatamente rumo ao Pantanal de Mato Grosso, antes que fosse tarde demais.

# Opinião

Depois de ter lido A Droga da Obediência, eu precisava continuar acompanhando as aventuras dos Karas.

Em Pântano de Sangue, como o próprio título deixa explícito, temos uma história mais “pesada” do que a do primeiro livro da série e o autor trouxe à tona uma questão muito importante a respeito da destruição do Pantanal, dos índios e dos jacarés. Além do suspense, o leitor pode refletir sobre essa triste situação.

Basicamente, o livro segue o mesmo estilo do primeiro. O que eu notei de diferente, foi que desta vez o autor não usou o humor na narrativa. Acredito que tenha sido uma opção dele por conta da própria temática do livro, que pedia mais seriedade. Inclusive, algumas cenas são bem chocantes.

Pedro Bandeira conseguiu manter o suspense até as últimas páginas. Quando o leitor pensa que tudo está resolvido, o autor tira mais uma carta da manga e muda completamente o jogo. A leitura foi maravilhosa. Recomendo!

  *O livro foi publicado pela primeira vez em 1987.



domingo, 15 de fevereiro de 2015

Como encontrar o caminho do renascer?

A lista de hoje foi inspirada no livro “O Caminho do Renascer”, do parceiro José Agenor Sapata (resenha aqui). Espero que vocês gostem!


1 – É preciso arriscar.

O personagem Miguel levava uma vida tranquila no interior, onde foi criado pelos avós. De repente, tudo vira de cabeça para baixo e ele vai parar na cidade grande. As coisas só melhoraram porque o rapaz arriscou e encarou as dificuldades, de peito aberto. Algumas vezes, é preciso sair da “zona de conforto” para alçar voos maiores. 

2 – Valorizar é o segredo.

Miguel assumiu um cargo importante e passou a ganhar mais dinheiro. Porém, não soube lidar com essas novidades e findou esquecendo-se dos valores que aprendeu na infância. Ao se dar conta de que havia perdido várias coisas, refletiu muito e passou a valorizar o que era realmente importante em sua vida.


3 – Lutar sempre.

Não foi fácil para Miguel chegar aonde chegou. Corajoso, teve que lutar bastante até conseguir tudo o que almejava, não esperando que as coisas caíssem do céu ou que se materializassem na sua frente. Ele aprendeu a matar um leão por dia e a não recuar diante das adversidades, que não foram poucas

4 – Reconhecer os erros.

Todos nós sabemos que o ser humano é falho. E Miguel não é diferente. Ele meteu os pés pelas mãos diversas vezes, mas chegou uma hora em que reconheceu os próprios erros e correu atrás do prejuízo. Com isso, ele amadureceu, pois os erros fazem parte desse processo. Quem nunca errou? 

5 – Vamos nos permitir.

Esse caminho que leva ao renascer é bem complicado. Miguel se deu conta disso na prática. Não adianta que os bons ventos soprem a nosso favor, se dentro de nós o desejo de renascimento estiver morto. As mudanças mais significativas são aquelas que partem do nosso interior. Se não nos permitirmos, nada mudará. 



domingo, 8 de fevereiro de 2015

[Mergulhei Fundo] - Amor a céu aberto

Título: Amor a céu aberto


Autor(a): Flora Figueiredo


Editora: Novo Século


Ano: 2010


Nº de páginas: 80


“A reflora é permanente,
desde que você não tente avançar.
Evite pisar no meu canteiro”. (Fronteira)

O título desse livro de poesias de Flora Figueiredo, caiu como uma luva. Em cada verso, podemos notar que a alma da autora esteve completamente entregue, despida. Suas palavras exalavam amor ao ar livre, a céu aberto, verdadeiramente. Flora escreve com paixão – algo que eu já havia observado em sua outra obra, Limão Rosa (clique aqui).

Ela fala de perda, de angústia e de amor, com muita profundidade. Mostra também sua versatilidade ao escrever poesias com toques sutis de humor. Na montanha-russa que é Amor a céu aberto, o leitor tem a oportunidade de se emocionar com uma poesia romântica e, na página seguinte, abrir um sorriso com rimas divertidas de temas cotidianos.

“Não se encabule.
   
Fórmula do Haicai, de Guilherme de Almeida*
A lágrima nada mais é que simplesmente
uma emoção que precisou fazer xixi”. (Diurético)

Uma das coisas que me chamou mais atenção foi o ritmo que Flora imprimiu a cada poesia. A sensação que nós temos é de que as palavras estão dançando. A autora conta as histórias através das poesias, todas muito bem encorpadas, com início, meio e fim. Essa fluidez foi, justamente, uma das razões para eu ter lido o livro inteiro em minutos. 

“A fila amanhã chega sabendo
que a esperança, por prudência, está dormindo,
pois a porta, antes de abrir, já está fechando”. (A fila)

Agradeço muito pela minha curiosidade ao navegar pela internet e descobrir o trabalho de Flora Figueiredo. Já estou de olho em outros livros que ela publicou, louco para mergulhar de novo em seus versos. Recomendo!

*Haicai: pequeno poema de três versos, de cinco, sete e cinco pés métricos, respectivamente. Em 1936, Guilherme de Almeida acrescentou-lhe a rima fixando a fórmula.

E aí, gostaram? Deixem as opiniões de vocês nos comentários. Até a próxima!