quarta-feira, 23 de julho de 2014

#ESPECIAL: Olga - Parte 2

Olá, mergulhadores!

Vamos continuar? Hoje nós temos a segunda parte da série especial sobre o livro Olga. Para ler a primeira parte, clique aqui


< contém spoiler >

O livro começa mostrando os primeiros passos da personagem-título na caminhada em prol do comunismo. Nascida em Munique, filha de Eugénie Gutmann Benario, dama da alta sociedade, e de Leo Benario, advogado social-democrata, Olga se desligou da vida burguesa e entrou pela primeira vez em uma organização comunista aos 15 anos de idade. Seu destino começou a ser traçado quando foi convocada para a sua primeira missão: uma colagem clandestina de cartazes.

Olga conheceu o escritor Otto Braun e os dois tiveram um relacionamento. Algum tempo depois, ele seria preso em Moabit, por “alta traição à pátria”, enquanto ela teria o seu nome estampado em uma edição extra do diário Berliner Zeitung am Mittag, após comandar a operação que libertou seu companheiro. O fato foi descrito pelo jornal como uma “ousada cena de faroeste”.

Cada vez mais envolvida na luta pela revolução proletária, Olga deixou seu relacionamento com Otto em segundo plano, até que um dia rompeu o compromisso. Foi eleita para o Comitê Central da Juventude Comunista Internacional e posteriormente ingressou em cursos paramilitares na URSS. A coragem e a ousadia colocaram-na diante do brasileiro Luís Carlos Prestes, o “cavaleiro da esperança”.

O líder da “Coluna Prestes”, que comandou um exército por 25 mil quilômetros durante o movimento de oposição à República Velha, retornaria ao Brasil depois de alguns anos em Moscou, na tentativa de promover uma insurreição popular em seu país. Diante disso, Dmitri Manuilski, secretário do Comintern (Internacional Comunista), convocou Olga para cuidar da sua segurança durante a viagem.

O governo de Getúlio Vargas estava empenhado em capturar o “cavaleiro da esperança”. Então, Olga e Prestes se passaram por um casal em lua-de-mel para despistá-lo. Havia um sentimento de admiração mútua entre eles e essa proximidade culminou em um romance em meio à conspiração dos comunistas. Porém, a rebelião de 1935 foi um fiasco e ambos foram capturados pelo chefe da polícia política, Filinto Müller. Àquela altura, Olga estava grávida quando a separaram de Prestes. Sua filha seria arrancada de seus braços logo após o período de amamentação.

Na prisão, Olga tomou conhecimento de que as forças militares da Alemanha nazista já ocupavam vários países da Europa. Ela resistiu bravamente às sessões de tortura e permaneceu em silêncio quando questionada sobre os planos dos comunistas. Lutou até o último instante, mas o retorno ao seu país de origem, dominado por Adolf Hitler, foi inevitável. Em 1942, Olga foi executada em uma câmara de gás, em Bernburg.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGORA QUE VOCÊ JÁ MERGULHOU NA LEITURA, DEIXE O SEU COMENTÁRIO. ELE É MUITO IMPORTANTE PARA O CRESCIMENTO DO BLOG. OBRIGADO!!!

Obs.: comentários ofensivos serão deletados.