domingo, 13 de julho de 2014

#ESPECIAL: Olga - Parte 1

Olá, mergulhadores!

Resolvi fazer uma série especial sobre o livro Olga, de Fernando Morais. Hoje nós temos a primeira parte. Espero que vocês apreciem o mergulho. Vamos lá?



Olga. Essas quatro letras trazem consigo a força de uma judia comunista alemã, entregue a Hitler pelo governo Vargas. Em 1985, o jornalista Fernando Morais deixou a sua marca na literatura brasileira ao retratar com sensibilidade e competência a trajetória da mulher que lutou “pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo”.

Fruto de um árduo trabalho de pesquisa, o livro vai além da biografia de Olga Benario Prestes. Em sua composição, é possível visualizarmos o período em que os fatos ocorreram, graças à união entre texto e contexto, tão bem explorada por Morais. O resultado é o que o leitor pode considerar uma aula de História Geral e do Brasil.

As investigações tiveram início em 1982, coincidindo com os últimos anos do regime militar no Brasil. Com isso, ele encontrou o primeiro obstáculo: a censura. Morais se surpreendeu também com a escassez de material sobre Olga no país. Movido pela inquietação, característica básica de um bom jornalista, partiu em busca do “tesouro”, que viria a ser descoberto na República Democrática Alemã (RDA).

O esforço lhe rendeu entrevistas e documentos preciosos, que seriam acrescidos às informações inéditas fornecidas por Luís Carlos Prestes. O autor aponta que durante a apuração esteve muitas vezes no lugar certo, na hora certa. Destaca a importância que a “sorte” tem na vida do repórter, sendo complementar ao trabalho deste, pois foi assim que ele conseguiu alguns depoimentos para a construção do livro.

O autor coletou dados em Berlim, Milão e Washington e teve acesso a fotografias inéditas em Buenos Aires. Porém, chegou um momento em que a falta de tempo e de dinheiro o obrigaram a recorrer ao telefone e ao correio para dar continuidade às pesquisas. Ele contou ainda com documentos enviados por anônimos militantes comunistas, que se dispuseram a ajudar quando souberam do seu trabalho.

As histórias que o pai de Morais lhe contava durante a adolescência sobre Filinto Müller, chefe da polícia política de Vargas, ficaram gravadas em sua memória e o motivaram a escrever o livro. Ele garante que os fatos ocorreram exatamente como foram descritos na obra, uma vez que não se trata da sua versão dos episódios, mas da versão que ele acredita ser a real. 


4 comentários:

  1. Já disse que gosto da sua forma de escrever? :) Espectacular

    Beijos
    thatstory1.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Obrigado. Fico feliz por isso.
      Beijos!

      Excluir
  2. Ygo meu amigo obrigado pelo seu apreço, vou ler o livro do Fernando Morais, gostei de sua resenha, fatos, histórias de vidas que não aprendemos nos bancos das escolas. forte abraço sucesso em seus estudos, bons dias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Aguiar.
      Que bom que você gostou. Leia mesmo, é um livro ótimo.
      Abraço!

      Excluir

AGORA QUE VOCÊ JÁ MERGULHOU NA LEITURA, DEIXE O SEU COMENTÁRIO. ELE É MUITO IMPORTANTE PARA O CRESCIMENTO DO BLOG. OBRIGADO!!!

Obs.: comentários ofensivos serão deletados.