quarta-feira, 13 de abril de 2016

#Resenha: "Três dedos de morte"

Oi, mergulhadores!

O post de hoje é sobre o livro de contos “Três dedos de morte”.

Título: Três dedos de morte

Autores: Alec Silva, Baltazar de Andrade e Samuel Cardeal

Ano: 2015

Editora: Independente

Nº de páginas: 50

< A morte é o ponto em comum entre as três histórias que compõem esse livro de Alec Silva, Baltazar de Andrade e Samuel Cardeal, publicado em e-book de forma independente. Os três se consideram escritores inconsequentes e sem pudores ou reservas, mas cada um segue por um caminho distinto em seus respectivos contos para explorar as várias faces da morte. >






O primeiro conto se chama “Na porta do céu” e foi escrito por Alec Silva. A história trata dos primeiros momentos de uma garota com o ceifeiro, o anjo da morte.

A escrita do autor é envolvente. A descrição dos cenários e a caracterização dos personagens são bem detalhistas. Alec fez uma relação interessantíssima entre o conto e a música Knockin’ On Heaven’s Door (versão de Guns N’ Roses). A trilha sonora acompanha a narrativa do início ao fim. O ponto negativo é a história ser muito rápida. Senti falta de um clímax. Começou bem, mas o final foi meio atropelado e confuso.




Em O Viajante, segundo conto do e-book, Baltazar de Andrade aposta na prosa em versos para mostrar a jornada um homem antes e depois da morte. A história é dividida em duas partes: “Primeiro Canto: O Deserto” e “Segundo Canto: O Pós-Morte”.

Sou fã de poemas e, portanto, sabia que gostaria do conto. A única preocupação antes da leitura era se eu conseguiria acompanhar a história, porque tendemos a ler poemas com outro ritmo, até para as rimas fazerem sentido. Baltazar construiu a história distribuindo os acontecimentos entre as estrofes, de modo que cada um teve início-meio-fim. O autor fechou com uma ideia batida, mas que não prejudicou o todo da obra. No geral, o conto foi coeso e criativo.


Samuel Cardeal é o autor responsável pelo terceiro conto do livro: “O Último Alvo”. A história traz um homem que decide fazer justiça com as próprias mãos, tornando-se uma espécie de enviado da morte.

Nesse conto que finaliza o e-book, o estilo da narrativa difere dos outros por ser mais voltado para o enredo policial. O personagem é um justiceiro que acredita estar cumprindo sua “missão” na terra, mas acaba tendo uma surpresa bem desagradável no final, o que faz a vida dele sair completamente dos trilhos. Acredito que o enredo daria um ótimo livro de mistério. Gostei muito da escrita do autor e apreciei o uso que ele fez das metáforas no texto: algumas divertidas, outras bem impactantes.




8 comentários:

  1. Oi, Ygo!

    Obrigado pelo tempo dedicado à leitura e resenha de nosso e-book! :)

    Prometo, no futuro, atentar a esticar um pouco mais o final do conto, para ficar menos atropelado.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Será um prazer reler o conto com um final novo.
      Abraço!

      Excluir
  2. Obrigado Ygo, espero que trabalhos futuros te agradem mais. Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Baltazar.
      Eu espero que sim. Obrigado também.

      Excluir
  3. Obrigado demais, Ygo, por ter lido e dividido sua opinião. E adorei o capricho no uso das cores.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Samuel.
      Fico feliz que tenha curtido. Abraço!

      Excluir
  4. Ah...muito boa essa resenha. Acredito que iria gostar bastante desse livro. Conheço o Samuel Cardeal. Ótimo autor...adoro!
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paloma.
      É um livro ótimo. Leitura rápida e agradável.
      Você já conhece um dos autores... Isso é um sinal para ler o livro logo. rs
      Beijos!

      Excluir

AGORA QUE VOCÊ JÁ MERGULHOU NA LEITURA, DEIXE O SEU COMENTÁRIO. ELE É MUITO IMPORTANTE PARA O CRESCIMENTO DO BLOG. OBRIGADO!!!

Obs.: comentários ofensivos serão deletados.