quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

#Resenha: "Grey"

Título: Grey

Autor(a): E. L. James

Ano de lançamento: 2015

Editora: Intrínseca

Nº de páginas: 480


# A história

Cinquenta tons de cinza pelos olhos de Christian. Agora é a vez dele de contar sua versão sobre a intensa relação com Anastasia Steele.

Grey é um homem controlador, profissional bem-sucedido, milionário e organizado. No entanto, carrega consigo um vazio desde a infância, que só é preenchido quando a recatada senhorita Steele cai, literalmente, na vida dele. O encontro não foi programado. Aliás, nem era Ana quem deveria ter surgido naquele escritório para entrevistá-lo.

Ah, mas o destino, sempre o danado do destino... Foi ele quem se encarregou de colocá-los cara a cara. Foi a partir dali que os caminhos de Ana e Grey se cruzaram e nunca mais as coisas foram as mesmas.

O sentimento que aquela jovem tímida desperta em Grey acaba o deixando mais perturbado. Ela parece enxergar um lado dele que nenhuma outra mulher jamais conseguiu. Então, o Senhor Cinquenta Tons, de coração frio e com preferências nada convencionais, se vê em uma situação na qual precisa lidar com sua compulsão por controle, curar antigas feridas e ainda se adequar ao perfil de Ana, se não quiser perdê-la.

# Opinião

A proposta desse livro é basicamente apresentar uma mesma história, a partir de outra perspectiva. O que me intrigou de verdade foi a falta de elementos que representassem um diferencial significativo entre as obras.

A impressão é de ter visto a mesma imagem: antes, na horizontal; agora, na vertical. Só isso. Achei pouco criativo. Uma jogada esperta, eu reconheço, com um objetivo simples: publicar um livro para lucrar em cima de uma trilogia já consolidada.

Em Cinquenta tons de cinza (resenha aqui), fiquei incomodado com o jeito bobo de Ana conversar com a sua “deusa interior”. Agora foi Christian quem encheu o saco com essa mania de falar com a voz da consciência, o que acabou descaracterizando o personagem, como se ele fosse só uma versão masculina de Ana.

Outro ponto que não me agradou ao conhecer esse “novo Christian” foi o fato de que os defeitos dele ficaram muito mais evidentes. Grey é um homem extremamente arrogante, em alguns momentos trata a Ana como um lixo e o jeito possessivo dele irrita.

O leitor pode conhecer um pouco mais sobre a infância do protagonista através de trechos em que o mesmo tem pesadelos. Foi um artifício usado pela autora para explicar os traumas que fizeram Grey virar aquele homem perturbado e controlador. Porém, isso não me sensibilizou, uma vez que eu já tinha alimentado uma grande rejeição por ele.

Os diálogos continuaram fracos. Alguns, na verdade, foram reaproveitados. As ações de Christian longe de Ana foram pouco exploradas, de modo que os acontecimentos, em sua maioria, já são velhos conhecidos do leitor do primeiro livro da trilogia Cinquenta tons.

Por fim, a parte mais cansativa e inútil da obra: o contrato do dominador e da possível submissa. Quase desisti do livro quando vi que colocaram aquela chatice de novo, na íntegra. Na minha opinião, bastaria ele ter sido citado.

É isso, pessoal. Para quem quiser mergulhar nessa leitura, a dica é não esperar inovações. Até a próxima!

# Extra

Leitura recomendada para maiores de 18 anos.


4 comentários:

  1. Bom eu fui uma pessoa que não sentiu a mínima vontade de se render a 50 tons quando estava todo o burburinho ao seu redor, não é um livro que me chama atenção e pelas opiniões que já vi eu não estou perdendo nada mesmo.
    Muito bacana a forma como você expressa e organiza sua opinião, gostei mesmo.
    Estou seguindo e curtindo bastante o blog.
    Beijos.
    Criei, recentemente, um blog para falar sobre filmes, séries, cultura e artes no geral. Se você puder dar uma conferida eu ficarei muito grata: http://cineleva.blogspot.com.br/ :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Wilma.
      Eu não curti a trilogia, mas dei uma nova chance a autora. Acho válido conhecer um pouquinho de tudo. Vou dar uma olhada no seu blog. Fico feliz que tenha gostado. Volte sempre!

      Excluir
  2. Eu não li a trilogia de cinquenta tons de cinza, mas assisti o filme (sei que não é a mesma coisa). Eu adorei a tematica e sei que no livro tudo é mais forte e mais apimentado, mas não me interessei pela trilogia, mas isso não acontece com GREY que eu estou super afim de ler e de formar a minha opinião. Adorei o seu blog, já está nos meus favoritos.

    Meu Blog: www.umcontainer.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Eu ainda nem assisti ao filme. Quanto ao livro "Grey", esperava mais.
      Obrigado pela participação. Volte sempre.
      Abraço!

      Excluir

AGORA QUE VOCÊ JÁ MERGULHOU NA LEITURA, DEIXE O SEU COMENTÁRIO. ELE É MUITO IMPORTANTE PARA O CRESCIMENTO DO BLOG. OBRIGADO!!!

Obs.: comentários ofensivos serão deletados.